sexta-feira, 30 de março de 2012

VIVER COM ALEGRIA


VIVER COM ALEGRIA



Uma das descobertas deliciosas que fazemos quando nos rendemos à vontade superior é que, em vez de sermos designados a fazer coisas que não suportamos, somos chamados por Deus para viver a nossa alegria na sua plenitude.

Temos a sensação de que tudo está certo quando estamos fazendo aquilo que se espera que façamos.

Certa vez, Buckminster Fuller disse que isso é “um negócio meio místico. No momento em que você começa a fazer aquilo que tem vontade de fazer, é realmente um tipo diferente de vida”.

Cuide da sua alegria.
Viva a sua alegria.

Vá atrás da sua bem-aventurança”, disse Joseph Campbell.
A palavra é preenchida por Deus.

O biólogo James Lovelock diz que a evolução nos ensina que ser verdadeiro em relação ao que somos é algo essencialmente nobre e que, a longo prazo, é útil para todos nós.

Em Gaia: A New Look At Life on Earth [Gaia: Uma Nova Perspectiva da Vida no Mundo], ele descreve um planeta hipotético com margaridas pretas e brancas.

As margaridas pretas absorvem calor e fornecem quentura.
As brancas refletem calor e fornecem frescor.

Quando a temperatura do planeta precisa esfriar, há uma preponderância de margaridas brancas.

Quando precisa se aquecer, as margaridas pretas predominam.

Embora todo o planeta se beneficie com o equilíbrio da temperatura, as margaridas estão apenas sendo verdadeiras consigo mesmas.

O propósito de uma pessoa no esquema das coisas não é superior ou inferior ao de outra. Nenhum de nós pode fazer tudo o que tem de ser feito. E não se espera que nenhum de nós cumpra com a sua missão sozinho.

As culturas criativas da América nos ensinam que toda ação deve ser avaliada com base nos seus efeitos durante pelo menos sete gerações.

Hoje, um avanço na física pode ter acontecido porque um professor de primeiro grau redirecionou, trinta anos atrás, um problema de aprendizado para uma criança que se tornou cientista e, portanto, a energia desse professor faz parte da conquista atual.

O fabricante de violinos está presente no concerto de cada virtuose.

Não devemos confundir a pequenez humana com a eficácia divina. Cada um de nós é potencialmente a diferença no mundo. Quem pode dizer qual é o golpe que quebra a pedra?

A entrega nos ensina a abrir mão da inveja, que é um subproduto da nossa falta de contato com o valor e o objetivo da nossa vida e do fato de encararmos a nós mesmos como criaturas imperfeitas.

A entrega nos permite dizer: Você pintou aquele quadro. Isso significa que eu não tenho de fazer isso. Você descobriu aquela vacina. Incrível! É uma coisa a menos que o resto da humanidade tem de fazer. Você fez uma passeata em Washington, tomou conta daquele desabrigado, pôs em ordem a vizinhança. Ótimo. Nós lhe agradecemos.

Agora, agradeça a mim porque estou fazendo a minha parte, e a minha parte é a nossa parte. A tarefa que você faz pode parecer humilde de acordo com a sua avaliação — mas isso é mais uma questão de percepção que de realidade.

Se você não, consegue mudar a realidade, mude a sua perspectiva.

Três pessoas estavam talhando três pedras idênticas.
Então chegou um estranho e perguntou o que estavam fazendo.

O primeiro respondeu: “Estou talhando uma pedra.”
O segundo respondeu: “Estou ganhando a vida para sustentar minha família.”
O terceiro disse: “Estou construindo uma grande catedral.”

Nas belas palavras de Akshara Noar: “Não há mais mapas, não há mais credos, não há mais filosofias. Daqui em diante, a direção vem diretamente do Universo. O currículo está sendo revelado a cada milissegundo — inevitavelmente, espontaneamente, amorosamente.”

Na entrega, damos e recebemos ao mesmo tempo. Os relacionamentos assumem um significado diferente. Aprendemos a estar na vida das pessoas sem participar de sua dança. Um relacionamento torna-se importante, não porque satisfaz as necessidades da personalidade, mas porque é o caminho para a totalidade.

O negócio é abandonar os altos e baixos da roda-gigante que não leva a lugar nenhum.
Os vícios carregam consigo grandes expectativas e compromissos devastadores.

A entrega nos ensina a largar todas as idéias preconcebidas a respeito daquilo que achamos que temos de fazer para sermos felizes. A própria felicidade é redefinida.

Parte do processo de abrir mão do controle é abandonar as expectativas.

Deus fala conosco de acordo com a nossa maturidade.

Como o negativo de uma fotografia que surge dos produtos químicos do cosmos, a verdade torna-se cada vez mais clara — contanto que não retiremos a fotografia antes da hora.


As 7 Etapas de Uma Transformacão Consciente, p. 265.
Fonte: Blog Meu Melhor Modo de Ser

LUZ!
STELA 
Postar um comentário